Cirurgia Minimamente Invasiva

13/02/2018 - Artigos

Cirurgia Minimamente Invasiva

O CÂNCER TORÁCICO E A LUTA PARA FAZER O DIAGNÓSTICO PRECOCE, AUMENTANDO AS CHANCES DE CURA      

Devido a união dos cirurgiões torácicos catarinenses e seu trabalho eficiente, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica escolheu Santa Catarina para sediar o congresso mais importante do Brasil e um dos principais da América do Sul. Esta vitória veio através de uma eleição entre os estados da confederação no último Congresso Brasileiro realizado no Rio de Janeiro no mês de maio de 2017. Eu como atual Presidente da Sociedade Catarinense de Cirurgia Torácica tive a honra de fazer parte da defesa do nosso estado.

Isto significa que nosso trabalho em Jaraguá do Sul tem se mostrado relevante no âmbito nacional. Neste evento que passou, as diretrizes sobre os rumos da cirurgia torácica foram discutidos com colegas de todos os cantos, e apesar da diversidade de assuntos, o mais instigante deles foi o tratamento para o câncer torácico.

No Brasil, em 2016, houve em média 17.330 de casos novos de câncer de traqueia, brônquios e pulmões entre homens e 10.540 entre mulheres. Estes são os cânceres mais comuns, apresentando um aumento anual de 2%.  A taxa de sobrevida após o tratamento em 5 anos varia de 13 a 21% em países desenvolvidos e entre 7 e 10% nos países em desenvolvimento. Este resultado ruim depende do diagnóstico, se descoberto no começo as taxas de sobrevida aumentarão exponencialmente.  Esta doença e suas formas de tratamento me incentivam a buscar o entrosamento perfeito em todas as áreas, seja direcionada aos meios diagnósticos ou as formas de tratamento e prevenção. 

Olhando para o câncer pulmonar o tratamento deve ser amplo, começando com o diagnóstico precoce das lesões, que só será possível quando pessoas com fatores de risco (tabagistas, história familiar de câncer) entrarem em um programa de monitorização para buscar a doença no estágio inicial. Só o exame periódico pode evitar a doença avançada, pois não será percebido pelo paciente nenhum sintoma ou sinal na lesão pequena, justamente neste momento que existe a mais alta chance de cura.         

O serviço de Oncologia de alta complexidade do Hospital São José, o serviço de cirurgia torácica de Jaraguá do Sul e a Secretaria de Saúde estão em constante trabalho para elaborar projetos com este intuito, pois elevar a curabilidade desta doença permitirá um ganho para toda a sociedade. Este problema é mundial, no entanto os locais aonde a sociedade, o governo e os médicos trabalham juntos, os índices de casos avançados despencam.

Contudo, a população de risco pode se mover sozinha para consultas preventivas e desta forma mudar a terrível estatística de encontrar lesões avançadas e, portanto sem potencial de cura.      

A Cirurgia Torácica Jaraguaense que além dos municípios do Vale do Itapocú atende também uma grande parcela do Norte Catarinense tem aparelhos sofisticados para realizar tratamentos minimamente invasivos de todas as doenças. Atua com uma gama de aparelhos vídeo- endoscópicos para laringoscopias, traqueoscopias e broncoscopias diagnóstica e intervencionista, associado à última geração de equipamentos para a realização de vídeo cirurgias torácicas e mediastinais para biópsias e tratamentos radicais.       

Atende em parceria com uma equipe multidisciplinar de pneumologistas, oncologistas, infectologistas, patologistas, intensivistas e fisioterapeutas, todos imbuídos em garantir qualidade e segurança para todas as etapas do tratamento.

O aperfeiçoamento deve ser intenso e incansável para trazer a possibilidade de conseguir a cura para o câncer pulmonar.


Confira os vídeos de cirurgias minimamente invasivas realizadas pelo Dr. Giovani:

Vídeo Descoticação Pulmonar

Vídeo Lobectomia Pulmonar